Mulher acusada de atear fogo e matar o marido depõe hoje no Fórum

Tania Behn é acusada de homicídio.
Tânia Michels Behn, 38, acusada de incendiar e matar o marido, Vanilton Coelho da Silva, 40, irá depor hoje (19) no Fórum de Pilar do Sul. A audiência será às 15 horas e serão ouvidas, além da acusada, testemunhas de defesa e de acusação.

O caso aconteceu em 25 de junho do ano passado, por volta de 20h30, na Rua Izabel Bueno Gonçalves, 205, Jardim Nova Pilar III. Segundo o inquérito policial, Tânia teria jogado gasolina no corpo do marido e ateado fogo. A polícia suspeita que Vanilton foi surpreendido enquanto dormia, deitado em um colchão.

Vanilton teve 70% de queimaduras pelo corpo e foi socorrido até a Santa Casa e posteriormente para o Hospital Regional de Sorocaba. Devido a gravidade dos ferimentos, o homem foi transferido para o Hospital das Clínicas, em São Paulo, onde morreu 17 dias depois, em 12 de julho.

Acusada diz que só se defendeu

Segundo o boletim de ocorrência da Polícia Militar, quando deu entrada na Santa Casa, Vanilton relatou aos atendentes do hospital que foi a ex-mulher que jogou gasolina e ateou fogo nele.

No dia do fato, a Polícia militar não conseguiu localizar a suspeita, mas ela se apresentou espontaneamente na mesma noite na delegacia e contou sua versão dos fatos. Disse que ele bebia e que constantemente a agredia. Segundo Tania, os dois estavam separados, mas residiam na mesma casa.

Naquela noite, disse, ela chegou em casa com os filhos, de 6, 14 e 17 anos, e que o ex-marido se recusou a abrir a porta e que, quando abriu, não queria permitir que ela entrasse, apenas as crianças, foi quando aconteceu a discussão entre eles e que apenas se defendeu das agressões.

Inicialmente, Tânia foi indiciada por tentativa de homicídio e, com a morte do marido, por homicídio. Mas por ter se apresentado espontaneamente na delegacia, foi ouvida, liberada e responde o processo em liberdade.

Pena pode chegar a 30 anos

Tânia Michels Behn responde processo (veja aqui) por homicídio doloso, quando há intenção de matar, incursa no artigo 121 (do Código de Processo Penal), inciso 2°, parágrafos II, III e IV, por ter agido por motivo fútil, empregando meio cruel (fogo), e à traição, ou emboscada, tornando impossível a defesa da vítima.

A pena para este tipo de crime é de 12 a 30 anos de reclusão. Se for pronunciada, a acusada será submetida a julgamento através de um Júri Popular, que ainda não tem prazo para ser realizado.

Assista o vídeo da reportagem da reconstituição:

No Google Plus

Sobre Sergio Santos

Jornalista, radialista e publicitário. MTB 51.754/SP.
    Comentar pelo Blogger
    Comentar com Facebook

2 comentários:

Serrano disse...

bela reportagem SS abraço do seu amigo SERRANO

Serrano disse...

eu me lembro disso eu atendi a ocorrencia e vi como ele estava no P.A.

Postar um comentário

PUBLICIDADE