Escola recém-inaugurada é interditada por causa rachaduras e vazamentos

Paredes, muros e tetos apresentaram rachaduras.
Fotos: Secom/PMPS
Um prédio novo, recém-inaugurado, e que abriga a escola de ensino infantil Jane Rechinelli Piloto, na Avenida Adolfo de Góes, no Bairro Campo Grande, próximo ao Recinto de Festas Chico Mineiro, apresenta diversos problemas estruturais e técnicos e foi interditado pela Prefeitura Municipal de Pilar do Sul.

Um parecer do Conselho Municipal de Defesa Civil (COMDEC), embasado por dois engenheiros, recomenda a interdição por entender que as falhas, como rachaduras no teto, pisos, paredes e muros e vazamentos de gás e água, põem em risco a integridade física de professores, funcionários e alunos.

O prédio, construído através de convênio entre a Prefeitura e o Governo Federal, dentro do programa Pró-Infância, foi inaugurado no mês de dezembro de 2012. Depois disso, a escola Jane Rechinelli Piloto, que atende crianças de 0 a 4 anos, inclusive berçário, e que funcionava nas dependências da Comunidade Cristã Pilarense, foi transferida para o novo local.

Segundo a Secretaria de Educação, desde janeiro, a escola recém-inaugurada começou a apresentar diversos problemas como vazamento e ruptura na caixa d’água inferior e transformador de energia queimado.

Seguindo o cronograma escolar, previamente definido, as aulas tiveram início em 18 de fevereiro e os problemas se agravaram. As rachaduras e fissuras nas paredes, teto e muro aumentaram cada vez mais. Em alguns pontos piso e calçada estufaram, em outros cedeu, abrindo fissuras.

O setor de obras, da Secretaria de Urbanismo e Desenvolvimento de Edificações (SUDEC), executou diversos reparos na caixa d’água, mas o vazamento continuou. Para agravar o problema, no mês de abril, foi descoberto um vazamento de gás na tubulação subterrânea da canalização de gás, que foi inutilizado e substituído por botijões simples de 13kg.

Desde o surgimento dos problemas, a Secretaria de Urbanismo e Desenvolvimento de Edificações informou que está monitoramento o prédio para determinar a evolução da progressão das trincas, fissuras e rachaduras.

As empresas responsáveis pela construção do prédio e do muro foram notificadas pela prefeitura sobre os problemas na obra e para apresentarem soluções, mas alegaram que executaram o projeto de acordo com o contrato feito pela administração anterior.

A Prefeitura Municipal de Pilar do Sul informa que está providenciando a contratação de uma empresa especializada para realizar perícia técnica na obra, tanto no aterro, como nas estruturas e demais avarias, para determinar as causas e as providências que devem ser adotadas para recuperar o prédio e sanar os problemas.

A atual administração da Prefeitura Municipal de Pilar do Sul comunicou que, através do setor jurídico, vai acionar na justiça as empresas e todos os envolvidos na execução da obra, inclusive a administração anterior, responsável pela execução do projeto e fiscalização da obra.

Diante dos problemas, depois de visitas à escola, o Conselho Municipal de Defesa Civil (COMDEC) emitiu um relatório deliberando pela interdição da escola. O Parecer assinado pelos engenheiros Edson Batista, Maurício José Paes e por membros do CONDEC elenca os problemas e alerta que há risco à integridade física das pessoas que utilizam a escola, uma vez que, além das rachaduras e vazamentos de água e gás, “não é possível mensurar, neste momento, a quantidade de gás possivelmente acumulado no subsolo do edifício”.

Na última segunda-feira, dia 6 de maio, aconteceu uma reunião com os pais dos alunos da escola para comunicar os problemas e a interdição da escola. Participaram da reunião a prefeita Janete Carvalho, a secretária de educação Renata Carvalho, o secretário de negócios jurídicos Dr. Juarez Márcio Rodrigues, o secretário de obras Edson Batista e o coordenador do COMDEC Sérgio Santos.

Renata Carvalho, secretária de educação, informou aos pais que à partir do dia 7 de maio as aulas estariam suspensas e que dentro de até 15 dias um novo local seria providenciado para remanejar a escola e que, até encontrar um novo local, os alunos ficariam sem aulas, já que, explicou, não há vagas nas outras escolas para receber os alunos. A SEED informou que já locou um imóvel, no Bairro Santa Cecília, que está sendo adaptado para receber a escola e os alunos. A Escola Jane Rechinelli Piloto conta com 161 alunos, 18 professores e 10 funcionários. (Fonte: Secom/PMPS).

Repercussão
Assista reportagem da TV Tem (Rede Globo) aqui e
Leia a reportagem do Jornal Cruzeiro do Sul aqui

Paredes, muros e tetos apresentaram rachaduras/Fotos: Secom/PMPS
Paredes, muros e tetos apresentaram rachaduras/Fotos: Secom/PMPS
Paredes, muros e tetos apresentaram rachaduras/Fotos: Secom/PMPS
Paredes, muros e tetos apresentaram rachaduras/Fotos: Secom/PMPS
Paredes, muros e tetos apresentaram rachaduras/Fotos: Secom/PMPS
Paredes, muros e tetos apresentaram rachaduras/Fotos: Secom/PMPS
Paredes, muros e tetos apresentaram rachaduras/Fotos: Secom/PMPS
Paredes, muros e tetos apresentaram rachaduras/Fotos: Secom/PMPS
Paredes, muros e tetos apresentaram rachaduras/Fotos: Secom/PMPS
Numa reunião com pais de alunos, a administração explicou os problemas que levaram a interdição da escola
Fotos: Secom/PMPS
Numa reunião com pais de alunos, a administração explicou os problemas que levaram a interdição da escola
Fotos: Secom/PMPS

Share on Google Plus

About Sergio Santos

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.
    Blogger Comment
    Facebook Comment

16 comentários:

  1. Sergio.

    Entresviste cada pedreiro (se puder e se for de seu interesse)que trabalhou nesta obra e vc saberá quais os reais motivos de TODOS os problemas.

    ResponderExcluir
  2. O problema é um só meu amigo,SUPER FATURAMENTO,sem sombra de duvidas.Agora ta ai essa escolinha de isopor engana bobo,Uma vergonha para os Pilarenses.Enquanto isso quem fez a obra ta bonito na foto de inauguração da escola,(rindo da nossa cara).VAMO ACORDAR PILAR DO SUL!!!!!

    ResponderExcluir
  3. não tem nada a ver com faturamento e sim foi um aterro muito mal feito ,já que onde esta localizada a escola o terreno era bem acidentado vamos ver quem vai ter a humildade de reconhecer o erro ,também vamos ver solução a ser tomada.

    ResponderExcluir
  4. Rsrs é meu amigo pode ser que nao tenha nada a ver com faturamento, mas pra uma obra dessas tem que haver engenheiro responsavel, profissional e competente, assim como devem ser utilizados materiais de primeira linha, sera que foi? e se o terreno era "acidentado" pq nao tomaram as providenciais que tinham que ser tomadas? Espero sinceramente que o municipio tenha competencia pra reaver esse dinheiro publico, seu, meu, nosso. É esperar pra ver. Lastimavel....

    ResponderExcluir
  5. e uma vergonha para nossa cidade sera que ate 2016 estara liberada.

    ResponderExcluir
  6. concordo ,porem tem sim engenheiro ai é que esta onde esta ele agora ,sera que vai chamar a responsa?pois deveria vê só estamos muitos desfalcados na educação saúde entre outros mais já poso te adiantar acho q vai ficar tudo em pizza como sempre lamentável.

    ResponderExcluir
  7. KKKKKKKKKKKKKKK' esse pessoal que comentou em anônimo é foda , se pudesse curtir o comentario, minha curtida estaria ai !
    mas enfim , aqui em Pilar do Sul, é só engana bobo mesmo , eu concordo !

    ResponderExcluir
  8. E quem acaba sofrendo no final das contas? o povo...pq esta cheio de mães precisando trabalhar e não tem com quem deixar os filhos. É um verdadeiro transtorno e um descaso com a população. Realmente lastimavél.



    ResponderExcluir
  9. Para mim isso foi falta de atenção, falta do Sr. prefeito da época não ter ido dar uma olha para ver como estava indo o processo da obra! uma vergonha para nós todos

    ResponderExcluir
  10. Na verdade oq todo mundo devia saber é que esse projeto é do mandato do prefeito Luiz Henrique, no final do mandato dele, e o prefeito Toninho quem executou, e o engenheiro da prefeitura quem era? nos dois mandatos?

    ResponderExcluir
  11. Concordo com o companheiro acima.

    ResponderExcluir
  12. Mais puxa vida então, Sr. Toninho demorou 4 anos para executar a obra e mesmo assim saiu essa porcaria. Não importa no mandato de quem saiu o projeto e sim que executou e não fiscalizou.

    ResponderExcluir
  13. Na minha opinião, o setor de compras e o engenheiro responsável são os maiores culpados,o setor de comprar pela qualidade do material e o engenheiro por ser o responsável pela obra e de fiscalizar.

    ResponderExcluir
  14. QUEM É O RESPONSAVEL???

    BATATA QUENTE, QUENTE, QUENTE, QUENTE, QUENTE.... EM QUEM SERA QUE VAI QUEIMAR???

    ResponderExcluir
  15. agora aculpa nao e de ninguei a culpa e nossa de ser bobo em acreditar nesses politicos que so prometem e nao fazem as coisas certa o dinheiro deles e facil de ganhar o nosso que e dificil e eles nao tao nem ai com o povo

    ResponderExcluir
  16. queremos justiça, todos os envolvidos sao culpados,senao vejamos;
    esta obra foi contratada pelo prazo de 7 meses, entregaram com 27 meses em atraso, só isto é um grande crime, que, em licitaçoes sao defendidas por lei, todos já cometeram crimes,terao que pagar multas e responder civil e criminalmente por isso, todos.
    o prefeito- administrador do municipio, por mal uso do dinheiro publico.
    o engenheiro-secretario de obras, pela falta de responsabilidade tecnica.
    o advogado-secretario juridico, pela nao observancia dos compromissos contratuais, principalmente na clausula do prazo,sem justificativa concreta,aumentou cinco vezes mais o prazo contratual,o advogado nao viu isso no contrato para notificar a empresa e pedir as tais justificativas?
    sera que ninguem na prefeitura tinha uma formaçao profissional para executar tais cargos, ou é pura omissao dos fatos concretos? justiça neles.
    as empresas que executaram as obras sao cumplices 100% tambem, pois sao responsaveis tecnicos pela execuçao das obras e qualidade dos materiais,pois os serviços eram com material e mao de obra, e devem cumprir fielmente seus contratos, coisa que nao ocorreu nestes contratos, da obra da creche e do muro;

    ResponderExcluir