Bicão que 'causou' em festa é condenado a mais de seis anos por tentativa de homicídio

Sessão do Tribunal do Júri/Foto: Arquivo/Sérgio Santos.
Em julgamento realizado ontem (11), o conselho de sentença do Tribunal do Júri, formado por seis homens e uma mulher, considerou o réu João Batista de Mello, o “João da Rota”, 41 anos, culpado da acusação de tentativa de homicídio cometido contra José Ronaldo de Lima, em oito de julho de 2012.

A pena definida pela juíza Karina Jemengovac Perez, que presidiu a sessão, foi de seis anos e seis meses de reclusão a ser cumprida em regime inicial fechado. 

Mas, por ter cumprido mais de um terço da pena, já que o réu está preso desde o dia dos fatos, portanto a dois anos e três meses, ele foi beneficiado com a progressão de regime passando para o semiaberto.

A acusação ficou a cargo da promotora Luciana de Fátima Carboni Rodrigues Abramovich, enquanto que a defesa do réu foi exercida pelo advogado piedadense José Carlos Bachir.

Como o Fórum local não dispõe de auditório para realizar esse tipo de julgamento, a sessão do Tribunal do Júri aconteceu no plenário da Câmara Municipal de Pilar do Sul.

João da Rota no dia que foi preso / Foto: Arquivo/BSS.
Entenda o caso
Segundo as informações da época (leia aqui), “João da Rota”, tentou matar um vizinho. A PM foi acionada, prendeu o acusado e apreendeu um revólver Taurus, calibre 38, e seis cápsulas, uma delas deflagrada.

Tudo teria acontecido durante um almoço em família em uma chácara da Rua Ingá. "João da Rota", que residia na mesma rua, compareceu à festa dos vizinhos sem ser convidado, o popular “bicão”, mas os proprietários o deixar ficar.

Segundo a vítima José Ronaldo de Lima, de 44 anos, que reside em Campinas e possui uma chácara no Panorama, ele participava do almoço na casa do seu cunhado quando "João da Rota" passou a discutir com ele dizendo que ele o estava acusando de furtos no bairro. Segundo ele, durante a discussão, João da Rota sacou do revólver e disparou, mas o projétil atingiu o chão. Nesse momento ele, seu filho e o cunhado conseguiram dominar João da Rota e desarmá-lo.

Na delegacia “João da Rota” negou a tentativa de homicídio e a posse do revólver. Disse que estava sendo vítima de uma armação, já que por ser ex-presidiário o acusavam de ser o responsável por furtos que estavam acontecendo no bairro.

Mas, diante das testemunhas e das evidências, o delegado de plantão, Irani S. Barros, autuou "João da Rota" em flagrante e, desde então, ele permanece preso.

Segundo a polícia, João Batista de Melo já tem passagens pela polícia por furto e homicídio. Em setembro de 2012 ele foi preso acusado de furtar um supermercado no Jardim Campestre. (Leia: Ladrão ‘pé de chinelo’ é preso em flagrante pela PM).
No Google Plus

Sobre Sergio Santos

Jornalista, radialista e publicitário. MTB 51.754/SP.
    Comentar pelo Blogger
    Comentar com Facebook

0 comentários:

Postar um comentário

PUBLICIDADE