Prefeitura começa na segunda-feira a reconstrução da tubulação da estrada para Tapiraí


A obra será executada em parceria com a Suzano e a previsão de conclusão e liberação para o tráfego é de 15 dias.
Foto: Sérgio Santos.

Em uma reunião realizada nesta terça-feira (12), foi decidido que a Prefeitura vai executar com mão-de-obra própria a tubulação do córrego da Vila São Manoel, sob a estrada vicinal José Waldemar Mazzer, acesso a Tapiraí e ao litoral sul, e que ruiu com as fortes chuvas no dia 02 de janeiro.

O objetivo, explicou a prefeita Janete Carvalho (PSDB), é agilizar o serviço e liberar, o quanto antes, o tráfego naquela estrada. “É uma via importante para a população, para os turistas que acessam o litoral e, principalmente, para os produtores e empresários rurais, sem contar que logo volta as aulas e o transporte de estudantes seria muito prejudicado”, disse Janete. “Se fossemos licitar e contratar uma empresa todo o procedimento levaria até quatro meses. Então decidimos utilizar a própria estrutura da Prefeitura e executar a obra. Se o tempo ajudar e tudo correr bem, a meta é liberar o tráfego em um prazo de até 15 dias”, explicou.

A canalização será feita utilizando três linhas de tubo de concreto armado de 1,5 metro de diâmetro, aumentando em quase três vezes a vasão que existia anteriormente, e pedra rachão. O material já foi comprado e a obra tem início previsto, se não chover, para segunda-feira, 18. Para execução dessa obra, a Prefeitura fechou uma parceria com a companhia Suzano Papel e Celulose, que explora plantações de eucaliptos naquela região, que cederá uma máquina PC - escavadeira hidráulica Poclain, para auxiliar na obra.

Participaram da reunião o vice-prefeito Angelo Paiotti, os secretários Juliana Honda (obras), José Francisco (finanças) e Cristiano Batista (administração), Eduardo Oliveira (engenheiro da prefeitura), Luiz Antonio de Barros (diretor de obras), Raquel Dodopoulos (advogada da prefeitura), Pedro Samuel (Defesa Civil) e o engenheiro Maurício Paes, primeiro cavalheiro do município.

Eles avaliaram os diversos problemas ocasionados pelos temporais e elencaram as prioridades e os locais mais problemáticos, com acessos únicos e pontos de encalhe, recuperação de estradas e pontes.

Além da tubulação do córrego da Vila São Manoel, entre outras essenciais e que serão dada prioridade, está a erosão na rua Sebastião de Toledo, no Jardim Pinheiro. Em decorrência dos temporais, uma cratera que se abriu e a rua está parcialmente interditada em um trecho. Naquele local será feita uma tubulação com bocas-de-lobo, de aproximadamente 280 metros, que levará as águas pluviais até o córrego do Araújo. Para execução dessa obra a Prefeitura vai fornecer o material e licitar a mão-de-obra. O prazo de licitação será de 20 dias e de execução de 25 dias, contados após a expedição da ordem de serviço.

Outra obra que foi apontada como prioridade é a ponte sobre o Rio Turvo no bairro Turvo dos Antunes, na zona rural. Por causa da enchente a ponte foi danificada e o tráfego está parcialmente interditado para veículos leves e proibido para caminhões e veículos pesados. Uma empresa será contratada para executar a obra, com prazo de 30 dias para execução, após o início do serviço.

As outras, pelo menos, oito pontes e tubulações danificadas na zona rural estão sendo consertadas, ou refeitas, pelas equipes próprias da prefeitura, algumas delas em parcerias com os proprietários de sítio nas localidades.

O vice-prefeito Angelo Paiotti, que também responde pela coordenação da Secretaria de Desenvolvimento Rural e Meio Ambiente (Sedruma), disse que a Prefeitura já adquiriu 1.200 toneladas de pedra para recuperação das estradas rurais e que, assim que estiar, os serviços serão intensificados.

Na reunião, a prefeita Janete cobrou empenho máximo das secretarias envolvidas, como de obras e de desenvolvimento rural, e dos encarregados dos serviços, para minimizar os prejuízos da população.

Para a execução de obras, como manutenção de estradas rurais, de recuperação de pontes e de manutenção de prédios públicos, a Prefeitura conta com cerca de 36 profissionais, quatro retroescavadeiras, três motoniveladoras (patrol), duas pás-carregadeiras e seis caminhões e todos estão empenhados nos serviços de recuperação dos estragos ocasionados pelos temporais, na cidade e na zona rural.

“Todas as equipes e secretarias estão trabalhando, e muito, para recuperar as estradas rurais, as pontes e solucionar os problemas e peço a população que tenha paciência, porque foram muitas ocorrências, nossa equipe é reduzida e toda contratação e compra de materiais tem que ser precedida de licitação e obedecer os trâmites legais e isso demanda tempo, sem contar que esses gastos não estavam previstos no orçamento, mas estamos solicitando recursos dos governos federal e estadual para nos auxiliar nas despesas”, disse Janete.
Equipe trabalhando no córrego do Peixinho / Foto: Sérgio Santos.

Compartilhar no Google Plus

Sobre Sergio Santos

Jornalista, radialista e publicitário. Editor responsável pelo Blog do Sérgio Santos. Registro de Jornalista MTB 51.754 / SP.
    Blogger Comment
    Facebook Comment

3 comentários:

  1. espero que não só este caso seja solucionado mais como tantos outros que existem em nossa cidade, alem do asfalto que falta em grande parte de nossa cidade, buracos e sinalização, e só uma chuva mais forte cair que vemos a deficiência da cidade

    ResponderExcluir
  2. Esperamos que resolvam esse grave problema mesmo !! Também quero chamar a atenção das autoridades pra um outro caso que parece que estão deixando de lado que é daquela rodovia que liga pilar à salto de pirapora, aquela cratera que tem lá faz tempo está piorando agora com as chuvas e está ficando oco nas laterais dela, logo algum carro vai ser sugado no buraco, acho que só quando alguma vida se perder é que vão tomar providências, que mundo é esse meu DEUS!!!!!!

    ResponderExcluir
  3. Essa cratera entre Salto e Pilar, conforme já foi muito falado (inclusive aqui no blog) é de inteira da responsabilidade do DER (Departamento de Estradas de Rodagem). A Prefeitura não deve, nem pode, tomar providências em relação ao caso, a não ser cobrar os órgãos competentes (o que parece que já foi feito várias vezes), sinalizar o local....rsrs.

    ResponderExcluir