Relatórios confirmam que Janete deixou dinheiro em caixa e finanças da Prefeitura em ordem


De acordo com os balancetes, Janete deixou R$ 7,8 milhões nas contas bancárias da Prefeitura

Balancetes contábeis da Prefeitura de Pilar do Sul publicados no Jornal Terra, edição de sábado, 28 de janeiro, confirmam que a administração anterior, de Janete Carvalho Paes (PSDB), deixou as finanças da Prefeitura em ordem e com dinheiro em caixa.

Os editais foram publicados pela administração do atual prefeito, Antonio José Pereira, o Toninho da Padaria (DEM), e são documentos oficiais gerados pela própria Prefeitura, no sistema CECAM, em 23 e 25 de janeiro.

A publicação dos documentos, um total de 20 editais, é uma exigência do Tribunal de Contas (TCE) e cumpre uma determinação legal da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), que não permite que a administração anterior deixe dívidas, sem provisão de pagamento, para a próxima administração.

Segundo os relatórios, a administração Janete Carvalho executou corretamente o orçamento, cumpriu as exigências legais, como investimentos percentuais mínimos em educação e saúde, e deixou um total de R$ 3.683.177,81 (três milhões, seiscentos e oitenta e três mil, cento e setenta e sete reais e oitenta e um centavos) de superávit financeiro primário.

De acordo com o advogado e contador José Francisco de Almeida (foto), secretário de finanças na administração de Janete Carvalho Paes, foram deixados um total de R$ 826.299,82 (oitocentos e vinte e seis mil, duzentos e noventa e nove reais e oitenta e dois centavos) em restos a pagar para o exercício de 2017, de despesas contraídas nos últimos dias do ano, que estão empenhadas e com dinheiro provisionado, mas sem tempo hábil para fazer o pagamento.

Almeida explica que, deduzindo os restos a pagar, sobra um recurso líquido de R$ 2.856.877,99 (dois milhões, oitocentos e cinquenta e seis mil, oitocentos e setenta e sete reais e noventa e nove centavos) em dinheiro que, em tese, o novo prefeito poderá gastar conforme o seu próprio planejamento. “São recursos de superávit financeiro que ele (Toninho da Padaria) poderá aplicar como bem entender, como obras, novos investimentos, etc.”, disse.

O ex-secretário refuta veementemente a alegação de que a administração anterior deixou a prefeitura com dívidas e sem dinheiro. “Além dos recursos que deixamos em caixa, a prefeitura é uma empresa e todos os dias tem despesas, mas também todos os dias entra dinheiro, como os destinados pelos governos estadual e federal, das cotas partes dos impostos e verbas de educação e saúde, além de recursos próprios, de impostos e taxas municipais”, explicou. “A prefeitura tem um orçamento de R$ 60 milhões e todos os meses entra algo em torno de R$ 5 milhões”, completou.

José Francisco explicou que, além dos R$ 3,6 milhões, de dinheiro em caixa, foram deixados outros R$ 4.301.378,70 (quatro milhões, trezentos e um mil, trezentos e setenta e oito reais e setenta centavos) em convênio e recursos vinculados, que são recursos destinados para um fim específico, como obras em andamento e/ou a iniciar, compra de remédios, saúde e educação.

Uma das planilhas contábeis, gerada pela Prefeitura em 23 de janeiro (aqui), demonstra o total de dinheiro nas contas bancárias da Prefeitura em 31 de dezembro. Em conta movimento (dinheiro em caixa) havia R$ 3.565.490,87 e em conta vinculada (convênios) outros R$ 4.301.378,70.

Contabilizando os dois recursos, em caixa e convênios, totalizam R$ 7.866.869,57 (sete milhões, oitocentos e sessenta e seis mil, oitocentos e sessenta e nove reais e cinquenta e sete centavos) deixados por Janete nas contas bancárias da prefeitura.

Folha de pagamento abaixo de 50%Uma das planilhas demonstra que a folha de pagamento fechou 2016 em 49,15% do orçamento. O limite estabelecido pela Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) é até 54%.

Saúde e educaçãoOs investimentos em educação e saúde ficaram acima do mínimo estabelecido pela LRF.

Enquanto que a LRF obriga as prefeituras a investir o mínimo de 15%, em 2016, a Prefeitura de Pilar do Sul investiu 27,51% de recursos próprios em saúde.

O investimento em educação foi de 27,40% - acima do mínimo obrigatório que é 25% dos recursos próprios.

Compartilhar no Google Plus

Sobre Sergio Santos

Jornalista, radialista e publicitário. Editor responsável pelo Blog do Sérgio Santos. Registro de Jornalista MTB 51.754 / SP.
    Blogger Comment
    Facebook Comment

3 comentários:

  1. Ótimo, podem ir pegando essa fortuna toda e ir investindo na Santa Casa por exemplo que está cortando funcionários e gastos simples como café com pão para poupar gastos, investir nas ruas não só do centro para passar uma imagem de cidade perfeita mas também nas extremidades como São Manoel, Campestre 2, Nova Pilar,Ypê etc. Investir nas pontes da Av. José de Nóbrega que a cada 50 mts tem uma ponte de madeira provisória a anos kkk parece até piada isso ! Investir na zona rural, não é porque é rural que a população tem que andar de Jeep 4x4 pra sair de casa devido aos buracos, entre outros inúmeros problemas mascarados mas que estão ali encobertos!

    ResponderExcluir
  2. MUITO BOM PODERIA SERVI COMO EXEMPLO PARA TODO OS ADMINISTRADOR

    ResponderExcluir
  3. eu discordo plenamente de vc cara colega, isso prova que nossa administração foi mais fraca do que pensávamos, um bom administrador teria usado as verbas em pro a cidade, seguindo os critérios de destinação, não deixar dividas pra nova gestão isso sim seria um exemplo, deixar dinheiro em caixa e a cidade sucateada na minha humilde opinião e tampar o sol com a peneira .

    ResponderExcluir