Mulher acusada de matar o ex-marido é condenada a 14 anos de prisão


Juiz proferindo a sentença a ré Tânia Behn / Foto: Sérgio Santos.
Tânia Michels Behn, acusada de incendiar e matar o ex-marido, Vanilton Coelho da Silva, foi condenada pelo crime de homicídio e sentenciada a cumprir uma pena de 14 anos de prisão, em regime inicial fechado, mas com direito de recorrer da sentença em liberdade.

A sessão do Tribunal do Júri aconteceu nesta quarta-feira (15) no plenário da Câmara Municipal, já que o Fórum local não dispõe de plenário para esse tipo de julgamento.

O julgamento foi presidido pelo Dr. Ricardo Augusto Galvão de Souza, juiz da comarca de Pilar do Sul. O corpo de jurados foi composto por quatro homens e três mulheres.

A acusação esteve a cargo da promotora pública Dra. Ana Cristina Dutra Cristofani que sustentou que Tânia agiu de forma premeditada, mas pediu o afastamento do motivo fútil, recomendando aos jurados que condenasse a ré pelo crime de homicídio com as agravantes de ter agido de forma cruel e utilizado meio que dificultou a defesa da vítima.

Já a defesa da ré, exercida pelo advogado Dr. José Carlos Bachir, sustentou a tese de que sua cliente era constantemente agredida e que agiu em legítima defesa, pediu aos jurados a absolvição de Tânia e a desqualificação do crime de homicídio para lesão corporal seguida de morte, que tem pena mais branda.

Em seu depoimento, Tânia, assim como fizera em depoimentos anteriores, voltou a afirmar que era agredida pelo ex-marido. Disse que no dia dos fatos eles discutiram e Vanilton pegou uma faca para a agredir, momento que pegou o galão de gasolina que estava na área de serviço, entrou na cozinha, jogou em Vanilton e ateou fogo.

Após a oitiva das testemunhas, da ré e dos debates entre defesa e acusação, os jurados se reuniram na sala secreta e decidiram que Tânia era culpada pelo crime, com as qualificadoras ter agido de forma cruel e utilizado meio que dificultou a defesa da vítimaEm seguida o juiz Ricardo Augusto Galvão de Souza proferiu a sentença.

Mas, como a ré respondeu todo o processo em liberdade, a lei lhe garante o direito de recorrer da sentença em liberdade. Por tanto, enquanto o recurso não for julgado pelo Tribunal de Justiça, em São Paulo, Tania Michels Behn continuará livre. Mas, se o TJ-SP confirmar a sentença, ela deverá começar a cumprir a pena imediatamente.

O crime

O crime ocorreu há quase seis anos, em 25 de junho de 2011 (leia aqui e aqui). Tânia, 43 anos, e Vanilton, então com 40, estavam separados, mas conviviam na mesma residência.

Segundo a denúncia, depois de uma discussão, Tânia esperou o ex-marido dormir, jogou gasolina nele e ateou fogo. Com queimaduras em 70% do corpo, Vanilton morreu 17 dias depois no Hospital das Clínicas, em São Paulo

Como se apresentou espontaneamente à Delegacia, Tânia Michels nunca foi presa e respondeu o processo em liberdade.

Fotos: Sérgio Santos.

Compartilhar no Google Plus

Sobre Sergio Santos

Jornalista, radialista e publicitário. Editor responsável pelo Blog do Sérgio Santos. Registro de Jornalista MTB 51.754 / SP.
    Comentar
    Comentar com Facebook

0 comentários:

Postar um comentário