Polícia Civil recupera roupas furtadas e prende acusada de receptação


No início da tarde desta sexta-feira (02) a Polícia Civil prendeu uma moça acusada de receptação e recuperou parte das mercadorias furtadas de uma loja na avenida Antonio Lacerda, Jardim Nova Pilar.

Na madrugada de 16 de maio, o estabelecimento foi arrombado, uma porta de vidro foi quebrada e um total de 38 peças femininas, sendo 10 calças jeans, 6 saias floridas e jeans, 15 blusas de moletom e 7 botas e coturno, foram levadas.

O SIG (Setor de Investigações Gerais) começou a investigar o caso e chegou a uma pessoa suspeita.

No início da tarde de hoje a Polícia Civil cumpriu um mandado judicial de busca domiciliar em uma residência na rua Bento Ferreira de Camargo (Nova Pilar) e localizou duas peças furtadas: uma blusa e uma calça, que inclusive a mulher vestia no momento da abordagem.

Ela alegou que tinha comprado as peças por R$ 50, mas não soube informar dados ou características da pessoa que a vendeu.

Na delegacia a proprietária da loja reconheceu as peças como sendo parte das que foram furtadas do seu estabelecimento.

Stephanie Carolina Santos Silva, 21 anos, que já tem passagem por tráfico de drogas, foi autuada em flagrante pelo delegado Milton Andreoli acusada de receptação.

O delegado arbitrou uma fiança de R$ 1.500, que não foi quitada, e a indiciada foi removida para o presídio feminino de Votorantim, onde permanecerá a disposição da justiça.

INVESTIGAÇÃO

Através do investigador Reinaldo Fabri, a Polícia Civil informou que continua investigando o furto visando identificar os prováveis compradores e recuperar as demais peças furtadas.

A polícia solicita às pessoas que adquiriram as mercadorias que se apresentem espontaneamente, o quanto antes, na Delegacia e as devolvam, a fim de não serem considerados como investigados e até presos por receptação.

RECEPTAÇÃO É CRIME - Quem compra objetos furtados ou roubados comete o crime de receptação (artigo 180 do Código Penal), cuja pena pode chegar até 8 anos de prisão e multa.

Pode incorrer na mesma pena quem compra o objeto furtado, ou roubado, mesmo que sem saber e de boa fé, uma vez que deve averiguar a procedência dos objetos antes de comprá-los.

Compartilhar no Google Plus

Sobre Sergio Santos

Jornalista, radialista e publicitário. Editor responsável pelo Blog do Sérgio Santos. Registro de Jornalista MTB 51.754 / SP.
    Comentar
    Comentar com Facebook

0 comentários:

Postar um comentário