Condenada há 14 anos, mulher que incendiou e matou o ex-marido é presa pela PM


Tânia deixando a delegacia de Pilar do Sul para ser conduzida a cadeia de Votorantim / Fotos: Sérgio Santos.

A Polícia Militar prendeu nesta quinta-feira (07) Tania Michels Behn, 43 anos, condenada há 14 anos de prisão por ter matado o ex-marido Vanilton Coelho da Silva (Nilton), 40.

O crime aconteceu há mais de seis anos, em junho de 2011 (leia aqui e aqui).

Segundo a denúncia, o casal estava separado, mas conviviam na mesma casa. Após uma discussão, a mulher esperou o homem dormir, jogou gasolina e ateou fogo no ex-marido. Agonizando e com queimaduras em 70% do corpo, Vanilton foi socorrido, mas morreu 17 dias depois no Hospital das Clínicas, em São Paulo.

No dia do fato, Tânia Michels Behn se apresentou espontaneamente à polícia, alegou que era agredida pelo ex-marido e que agiu em legítima defesa e respondeu todo o processo em liberdade.

Em 15 março deste ano (leia aqui) ela foi levada a julgamento em Júri Popular e condenada há 14 anos de prisão, em regime inicial fechado, acusada de homicídio duplamente qualificado: meio cruel e recurso que dificultou a defesa da vítima.

A mulher obteve o direito de recorrer em liberdade e apelou ao Tribunal de Justiça, mas o TJ negou todos os recursos, manteve a sentença na íntegra e expediu o mandado de prisão para que a ré fosse recolhida ao sistema penitenciário para o cumprimento da pena.

Ontem, enquanto caminhava pela avenida Miguel Petrere, Tania foi abordada por uma equipe da PM, cabo Camila e soldado Silva Oliveira, conduzida à Delegacia e posteriormente encaminhada a Cadeia Pública de Votorantim, permanecendo à disposição da Justiça.

O delegado Milton Andreoli explicou que, como esse tipo de crime é hediondo, para obter progressão de regime, a mulher terá que cumprir dois quintos da pena, pelo menos cinco anos e sete meses em regime fechado para pleitear o semiaberto.

Alívio, dizem familiares de Nilton

“Alívio”, assim resumiram Vanildes Silva e Vanilda Coelho, irmãs de Vanilton Coelho, o que sentiam com a prisão de Tânia.

“Sensação de que foi feita justiça. Agora ela terá muito tempo para refletir no que fez, no sofrimento que causou ao nosso irmão e a todos nós e para se arrepender, porque em momento algum ela demonstrou arrependimento pelo que fez. Justiça seja feita”, disseram.
Tânia foi conduzida a cadeia de Votorantim / Fotos: Sérgio Santos.

Compartilhar no Google Plus

Sobre Sergio Santos

Jornalista, radialista e publicitário. Editor responsável pelo Blog do Sérgio Santos. Registro de Jornalista MTB 51.754 / SP.
    Comentar
    Comentar com Facebook

0 comentários:

Postar um comentário