Com receio de febre amarela, populares se aglomeraram em filas no postos de saúde para vacinação



A vacinação está disponível no postos de saúde do Campo Grande, centro e Nova Pilar, às quartas, quintas e sextas – 200 doses por dia.

O receio de contágio de febre amarela e, principalmente, a falta de informação está ocasionando uma verdadeira corrida da população aos postos de saúde em busca da vacina contra a doença.

Na manhã desta quinta-feira (18) nossa reportagem flagrou uma fila gigantesca no entorno do Centro de Saúde Terezinha de Moraes Arsila, no bairro Campo Grande. A aglomeração começava na unidade de saúde, contornava o quarteirão e se estendia até a avenida Miguel Petrere.
Jean Rodrigues, enfermeiro da rede básica de saúde, informou que a vacinação está sendo fornecida às quartas-feiras, no PAM I Cecília Urias De Moura (Jardim Nova Pilar), as quintas-feiras, no Centro de Saúde Terezinha M. Arsila, e às sextas-feiras no Centro de Saúde Helena de Proença Lacerda (Centro), das 8h às 12h.
Segundo ele, o governo do estado está disponibilizando uma quantia de 200 doses da vacina, três vezes por semana, e que não há motivo para pânico e nem uma corrida desenfreada aos postos em busca da vacina, que estão sendo aplicadas integral, em vez de fracionada como em outras regiões.
“É importante frisar que a vacina sempre existiu e não vai acabar e que quem já se vacinou não precisa vacinar novamente. Uma única dose da vacina imuniza a pessoa para a vida toda”, disse. “Agora quem nunca se vacinou é necessário se vacinar sim, principalmente quem reside na zona rural ou que vai viajar”, completou.
Rodrigues informou ainda que não está sendo feita uma campanha de vacinação. “É vacinação de rotina. O problema é que muitos veem as notícias na televisão, se apavoram e correm aos postos, as vezes sem precisar, uma vez que já se vacinaram anteriormente".
É o caso do casal Isaac Galo e Juliana que madrugaram para levar a filha de 4 anos para tomar a vacina e, depois de permanecer na fila por mais de duas horas, descobriram que a filha já tinha sido vacinada em 2015.
“Ficamos preocupados com o perigo da febre amarela e viemos trazer a filha pra vacinar. Mas graças a Deus ela já está imunizada”.
Em 2009 foi realizada em Pilar do Sul uma campanha de vacinação contra a febre amarela e as autoridades sanitárias estimam que 80% da população foram imunizadas contra a doença.
Pilar não tem casos confirmados de febre amarela
No dia 28 de dezembro, último, um macaco encontrado morto no bairro Caxangá (aqui) deixou as autoridades sanitárias do município em estado de alerta sobre o risco de surto de febre amarela na cidade.
Mas, como o animal já estava em adiantado estado de decomposição, não foi possível colher material para análise da causa da morte do macaco.
Em meados de maio e junho foram encontrados outros dois macacos mortos na zona rural de Pilar do Sul. Um deles, localizada no Jardim Cananéia, foi examinado e deu negativo para febre amarela. O outro, também encontrado no Caxangá, estava em adiantado estado de decomposição e também não foi possível comprovar a causa mortis.
Os casos mais preocupantes são em cidades vizinhas, como Piedade e Votorantim, onde já foram constatadas mortes de macacos com febre amarela. Apesar disso, em toda a nossa região, ainda não foi constada a doença em humanos.
Zacarias Fogaça, diretor da Vigilância Sanitária, pede a colaboração da população para que informe, o mais rápido possível, o aparecimento de macacos mortos ou doentes. “O quanto antes fomos avisados, mais rapidamente poderemos colher material para exame, que só pode der feito em até 48 horas após a morte do animal, para comprovar a incidência, ou não, do vírus da febre amarela”, disse.
A Vigilância Sanitária fica localizada na avenida Miguel Petrere (ao lado do Supermercado Dia). Telefone: (15) 3278-4248.
Macaco não é o vilão



Maíra Martins, coordenadora de controle de zoonoses, alerta a população que o macaco não transmite a doença que, por isso, as pessoas não devem atacar os animais.



A técnica veterinária explica que eles representam um alerta às autoridades quanto à incidência da doença em áreas silvestres, porque são vulneráveis ao vírus, e ajudam a elaborar ações de prevenção da doença em humanos.



Assim como a dengue, a febre amarela é um vírus transmitido por um mosquito. Na verdade, três: Haemagogus e Sabethes, que propagam a doença nos meios rurais e silvestres, e o Aedes aegypti, transmissor nas zonas urbanas. Não são registrados casos urbanos da doença no Brasil desde 1942.



Os sintomas são febre, dor de cabeça aguda, dores no corpo, vômito e fraqueza. Em casos graves, a pessoa pode ter febre alta e icterícia (cor amarelada na pele e branco dos olhos) e pode evoluir para falência dos rins e do fígado e até causar a morte.
Cronograma de vacinação da febre amarela:

Quartas-feiras - PAM I Cecília Urias De Moura (Nova Pilar)
Quintas-feiras - Centro de Saúde Terezinha de Mores Arsilla (Campo Grande)
Sextas-feiras - Centro de Saúde Helena de Proença Lacerda (Centro)

Fotos: Sérgio Santos / Portal Pilar News.

Compartilhar no Google Plus

Sobre Sergio Santos

Jornalista, radialista e publicitário. Editor responsável pelo Blog do Sérgio Santos. Registro de Jornalista MTB 51.754 / SP.
    Comentar
    Comentar com Facebook

0 comentários:

Postar um comentário