Por causa da greve, transportes escolar e coletivo são paralisados em Pilar do Sul


Por precaução, as empresas interromperam os serviços e recolheram os carros nas garagens

Foto: Willian Caminha Fonseca / Ônibus Brasil.
Por conta da greve dos caminhoneiros os serviços de transportes escolar e coletivo foram suspensos em Pilar do Sul desde quinta-feira (24), sem previsão de quando o serviço será normalizado.

Por medida de segurança e receio de desabastecimento, a Ralip Transportes, empresa concessionária do transporte coletivo na cidade, paralisou o serviço.

Na quinta-feira, os ônibus da Ralip, Estevam e Trans Rosa, que prestam serviço de transporte de estudantes, ainda circularam até por volta de meio dia, mas depois os carros foram recolhidos para as garagens.

A paralisação afeta tanto os alunos das escolas municipais e estaduais, que dependem do transporte escolar público para irem à escola, como os estudantes universitários que fazem faculdade nas cidades da região.

A Secretaria Municipal de Educação informou que, apesar do transtorno com o transporte, as aulas não foram suspensas e que todos os alunos que forem a escola terão aula e alimentação, normalmente.

A redação do portal Pilar News tentou contato com as empresas Cometa e São João, que operam o serviço de transporte intermunicipal, mas não obteve retorno e a população sofre por falta de informação.

A reportagem apurou, informalmente, que o transporte intermunicipal para Sorocaba, São Paulo, Piedade, São Miguel, Salto de Pirapora e Sarapuí estaria funcionando com horários alternativos.

De acordo com as informações apuradas até o momento, apesar das tentativas do governo e da Petrobrás de negociar uma saída para a crise e encerrar a greve, os protestos dos caminhoneiros continuam, por período indeterminado.

Em Pilar do Sul o movimento grevista mantém bloqueio nos principais acessos à cidade, como as rodovias SP-250 (Piedade) e SP-264 (Salto de Pirapora), e as vicinais José Waldemar Mazzer (saída para Tapiraí) e José de Almeida Rosa (saídas para São Miguel e Sarapuí) e as estradas de acessos aos bairros do Cocaes e Turvo dos Antunes, tudo para evitar que caminhões tentem desviar por vias alternativas e furar a greve.

No seu site, a empresa São João informou que, por conta do risco de desabastecimento, iniciou um racionamento e redução de carros nas linhas. Leia a nota:

COMUNICADO À POPULAÇÃO: FALTA DE COMBUSTÍVEIS PROVOCARÁ ALTERAÇÕES NO TRANSPORTE PÚBLICO DE VOTORANTIM E REGIÃO

Em razão do protesto de caminhoneiros em todo país, o abastecimento de combustíveis vem sendo comprometido. Assim, em caráter emergencial, o serviço de transporte público de Votorantim e das demais cidades atendidas pelo Grupo São João será afetado a partir das 19h desta quarta-feira (23), pois o estoque de óleo diesel na garagem da empresa está baixo e não há previsão de abastecimento por parte das distribuidoras.

O Grupo São João ainda estuda em quais localidades e/ou horários haverá o racionamento dos ônibus. A princípio a empresa planeja priorizar o atendimento nos horários de pico (das 06h às 8h30 e das 16h30 às 19h) e também a oferta de veículos nos principais corredores que ligam o Centro aos bairros. O objetivo é atender ao maior número de pessoas possível.

O Grupo São João e as autoridades competentes seguem acompanhando atentamente o desenrolar dos acontecimentos e trabalham em conjunto na busca por soluções viáveis enquanto permanecer a falta de regularidade no abastecimento dos combustíveis.

Em sua página no Facebook, a Viação Cometa emitiu o seguinte comunicado:

Caros passageiros,

Informamos que devido a greve dos caminhoneiros que afeta o abastecimento de combustível em todo o Brasil, a frequência de algumas viagens poderá ser alterada ou cancelada.

A medida está sendo tomada para assegurar que nossos ônibus operem até a normalização do fornecimento de combustíveis.

Pedimos aos nossos passageiros que se direcionem aos guichês para confirmarem possíveis alterações, conforme disponibilidade.

Se o cliente optar por não seguir viagem, a remarcação será feita de maneira gratuita, respeitando os seguintes períodos:
Rotas Estaduais - 30 dias
Rotas Federais - 1 ano

Tão logo a situação seja normalizada, as operações retornarão ao padrão, o mais rápido possível.

Viação Cometa
Por precaução, as empresas interromperam os serviços e recolheram os carros para as garagens Por conta da greve dos caminhoneiros os serviços de transportes escolar e coletivo foram suspensos em Pilar do Sul desde quinta-feira (24), sem previsão de quando o serviço será normalizado. Por medida de segurança e receio de desabastecimento, a Ralip Transportes, empresa concessionária do transporte coletivo na cidade, paralisou o serviço. Na quinta-feira, os ônibus da Ralip, Estevam e Trans Rosa, que prestam serviço de transporte de estudantes, ainda circularam até por volta de meio dia, mas depois os carros foram recolhidos para as garagens. A paralisação afeta tanto os alunos das escolas municipais e estaduais, que dependem do transporte escolar público para irem à escola, como os estudantes universitários que fazem faculdade nas cidades da região. Secretaria Municipal de Educação informou que, apesar do transtorno com o transporte, as aulas não foram suspensas e que todos os alunos que forem a escola terão aula e alimentação, normalmente. A redação do portal Pilar New tentou contato com as empresas Cometa e São João, que operam o serviço de transporte intermunicipal, mas não obteve retorno e a população sofre por falta de informação. A reportagem apurou, informalmente, que o transporte intermunicipal para Sorocaba, São Paulo, Piedade, São Miguel, Salto de Pirapora e Sarapuí estaria funcionando com horários alternativos. De acordo com as informações apuradas até o momento, apesar das tentativas do governo e da Petrobrás de negociar uma saída para a crise e encerrar a greve, os protestos dos caminhoneiros continuam, por período indeterminado. Em Pilar do Sul o movimento grevista mantém bloqueio nos principais acessos à cidade, como as rodovias SP-250 (Piedade) e SP-264 (Salto de Pirapora), e as vicinais José Waldemar Mazzer (saída para Tapiraí) e José de Almeida Rosa (saídas para São Miguel e Sarapuí) e as estradas de acessos aos bairros do Cocaes e Turvo dos Antunes, tudo para evitar que caminhões tentem desviar por vias alternativas e furar a greve. No seu site, a empresa São João informou que, por conta do risco de desabastecimento, iniciou um racionamento e redução de carros nas linhas. Leia a nota: COMUNICADO À POPULAÇÃO: FALTA DE COMBUSTÍVEIS PROVOCARÁ ALTERAÇÕES NO TRANSPORTE PÚBLICO DE VOTORANTIM E REGIÃO Em razão do protesto de caminhoneiros em todo país, o abastecimento de combustíveis vem sendo comprometido. Assim, em caráter emergencial, o serviço de transporte público de Votorantim e das demais cidades atendidas pelo Grupo São João será afetado a partir das 19h desta quarta-feira (23), pois o estoque de óleo diesel na garagem da empresa está baixo e não há previsão de abastecimento por parte das distribuidoras. O Grupo São João ainda estuda em quais localidades e/ou horários haverá o racionamento dos ônibus. A princípio a empresa planeja priorizar o atendimento nos horários de pico (das 06h às 8h30 e das 16h30 às 19h) e também a oferta de veículos nos principais corredores que ligam o Centro aos bairros. O objetivo é atender ao maior número de pessoas possível. O Grupo São João e as autoridades competentes seguem acompanhando atentamente o desenrolar dos acontecimentos e trabalham em conjunto na busca por soluções viáveis enquanto permanecer a falta de regularidade no abastecimento dos combustíveis. Em sua página no Facebook, a Viação Cometa emitiu o seguinte comunicado: Caros passageiros, Informamos que devido a greve dos caminhoneiros que afeta o abastecimento de combustível em todo o Brasil, a frequência de algumas viagens poderá ser alterada ou cancelada. A medida está sendo tomada para assegurar que nossos ônibus operem até a normalização do fornecimento de combustíveis. Pedimos aos nossos passageiros que se direcionem aos guichês para confirmarem possíveis alterações, conforme disponibilidade. Se o cliente optar por não seguir viagem, a remarcação será feita de maneira gratuita, respeitando os seguintes períodos: Rotas Estaduais - 30 dias Rotas Federais - 1 ano Tão logo a situação seja normalizada, as operações retornarão ao padrão, o mais rápido possível.
Compartilhar no Google Plus

Sobre Sergio Santos

Jornalista, radialista e publicitário. Editor responsável pelo Blog do Sérgio Santos. Registro de Jornalista MTB 51.754 / SP.
    Comentar
    Comentar com Facebook

0 comentários:

Postar um comentário