Moradores reivindicam ações de combate ao vandalismo e criminalidade no Centro


INSEGURANÇA... A INDIGNAÇÃO CONTINUA E PREOCUPA

No início do mês de outubro, foi realizada no Salão Paroquial da Igreja Matriz (centro) uma reunião entre moradores e comerciantes, comunidade paroquial e Associação Comercial e diversas autoridades, entre elas o tenente Cel. Vancley (comandante do 40º BPM-I), capitão Oliveira (3º Cia.), delegado Milton Andreolli, Jorge Takashi Iriyama (secretário municipal de segurança) e os vereadores Claudia Barros, Paulo Henrique, João Batista, Clayton Machado, além de representantes do Conselho Tutelar e das demais secretarias municipais.

Os moradores, comerciantes, representantes da igreja e da Associação Comercial enumeraram e denunciaram às autoridades inúmeras situações que ocorrem especificamente na área central, que vão desde a perturbação do sossego, roubos, furtos, tráfico e consumo de drogas e as “mijações” nas vias públicas, em frente às residências e os comércios, atitudes que configuram ato obsceno.

Diante das exposições, além de uma pauta de reivindicações, eles entregaram às autoridades arquivos digitais de filmagens de câmeras de monitoramento com flagrantes de diversas ilegalidades cometidas.

De pronto, todas as autoridades se prontificaram em acatar e discutir as referidas ações sugeridas, que, aliás, são as mesmas constantemente reivindicadas pela Associação Comercial e pelo Conselho Municipal de Segurança (Conseg). 

Nos dias que sucederam a reunião, os moradores perceberam o pronto atendimento da Polícia Militar com maior intensidade de rondas e da Policia Civil que iniciou investigações na área. 

Por outro lado, como o prefeito não compareceu à reunião, os moradores criaram uma comissão e 10 pessoas foram ao gabinete no dia 19 de outubro para ressaltar as reivindicações pessoalmente, onde também protocolaram o oficio, registrando-se todas as reivindicações.

Confira as reivindicações apresentadas:

PODER EXECUTIVO
- Abertura do Banheiro aos finais de semana e véspera de feriados pelo menos até o horário do fechamento de bares, ou seja, até 1 hora da manhã, com a colocação de funcionários e seguranças no banheiro, a fim de inibir atos de vandalismo e uso de drogas nessas dependências;

- Campanhas educativas contra o vandalismo e atos obscenos, sob as penas da lei, orientando-os para o uso do banheiro público;

- Melhorar iluminação da praça, com sistemas mais eficientes para eliminar pontos escuros;

- Colocação de câmeras de videomonitoramento na praça e principais ruas da área central, inclusive indicar para que os prédios públicos, como Prefeitura, Fórum e Câmara Municipal, reforcem o monitoramento, colocando suas câmeras também voltadas para a rua;

- Maior atuação da fiscalização de trânsito na área central, também durante a noite, para autuar motoristas alcoolizados, motos com escapamentos adulterados, carros de som em volume excessivo que perturbam toda a cidade;

- Fiscalização da Prefeitura, por meio da Vigilância Sanitária, de estabelecimentos comerciais para que eles cumpram as exigências previstas em lei, como o horário de fechamento, condições sanitárias e de acústica e a proibição de vendas de bebidas alcoólicas para menores de idade, que seja pelos comércios ou por vendedores ambulantes;

- Não conceder alvará para realização de eventos particulares ou público até altas horas da madrugada e que o som seja ambiente, sem causar perturbação, e que sempre possuam seguranças;

- Implantação da Atividade Delegada com a Polícia Militar; e

- Concessão do pró-labore para policiais militares lotados no município.

POLÍCIA MILITAR
- Promover com maior ênfase policiamento ostensivo;
- Promover ações conjuntas;
- Implantação do “Programa Vizinhança Solidária da PM no Centro”; e
- Operação de trânsito no combate as motos com escapamento adulterados e carros com som alto.

POLÍCIA CIVIL
- Investigação do tráfico de drogas instalado na área central; e
- Enquadramento dos autores em atos de vandalismo e perturbação do sossego, utilizando-se das gravações de vídeos, como forma de coibir atos obscenos.

PODER JUDICIÁRIO 
- Promover maior fiscalização, seja através da Vara da Infância e Juventude ou do Conselho Tutelar, dos menores de idade que consomem drogas e bebidas alcoólicas livremente.

PODER LEGISLATIVO
- Incrementar, promover e regulamentar leis pertinentes que ajudem as autoridades a combater o vandalismo, área proibida para skates e bikes que andam pelas escadarias da igreja, lei do silencio (carros de som e das motocicletas adulteradas), da acústica dos estabelecimentos, do som de propaganda próximo às Igrejas, Fórum, Câmara e Prefeitura, revisar leis de posturas e, entre outras, projetos que ajudem a disciplinar e regulamentar todas essas questões que impactam o bem estar da cidade.

Outro assunto bastante abordado e requisitado, que foi apresentado e aceito pelos presentes, inclusive com a participação do ex-presidente do Conseg, Tomio Maeda, dos vereadores presentes e do comandante do 40º BPM-I, foi em relação à ATIVIDADE DELEGADA e o PRÓ-LABORE aos policiais da cidade, cujos trâmites e leis municipais, já aprovados anteriormente, deveria ser retomados pela administração como forma de promover as devidas melhorias na área de segurança pública. Como o município não possui Guarda Municipal e com o efetivo muito reduzido de policiamento na cidade, tais ações viriam minimizar esses problemas, oferecendo mais segurança em áreas pontuais.

Diante dos fatos, as autoridades se comprometeram, cada uma dentro de sua área de atuação, a tomar as devidas providências para resolução dos problemas apresentados pela comunidade.

Porém, recentemente, os moradores e demais membros da Comissão foram surpreendidos com a atitude da Prefeitura, que, em forma de desrespeito às reivindicações propostas, promoveu o evento “Tape dos Anos 80”, não acatando as recomendações do documento para que o evento não se estendesse até muito tarde e que todas as questões de segurança fossem atendidas. Resultado, o evento terminou depois das 3 da manhã, uma multidão de jovens utilizou-se das ruas coronel Moraes Cunha, José Martins Perches, coronel Batista e tenente Almeida para urinar, defecar e utilizar drogas, sem dizer do tráfico livre de drogas nas imediações.

Ainda recentemente, no dia 4 de dezembro, com a votação do orçamento municipal do ano 2019, os vereadores da base aliada do prefeito rejeitaram colocar no orçamento os valores para custear a Atividade Delegada, uma das mais importantes reivindicações para melhoria de segurança no município, um verdadeiro balde de agua fria na nossa luta. Orçamento esse, que deveria já ter sido enviado pelo prefeito com valores contemplando a atividade delegada.

A Comissão entende que as reivindicações não são apenas do centro e as ações devem ser estendidas para toda a cidade. O problema hoje é pontual no centro, amanhã poder ser no Campo Grande, Nova Pilar, Santa Cecília, etc.

Os eventos para a juventude deve acontecer e com maior intensidade, afinal os jovens não tem opções de lazer na cidade, restando apenas a praça e o centro como alternativas. Que promovam eventos organizados, com horários de começo e término, som moderado, com garantia de segurança, policiamento, banheiro funcionando até o fim. Que os órgãos fiscalizadores atuem no dia do evento para, pelo menos, coibir o consumo de álcool por menores, motoristas embriagados, entre outras situações. Que a policia se faça presente para impedir o tráfico.

A falta de interesse da Prefeitura em entender e enxergar as dimensões do que está ocorrendo pode desencadear problemas maiores, como o crescimento acelerado do consumo e tráfico de drogas, furtos e roubos, que já aumentaram. Imagine como será com a chegada das festas de final e ano e carnaval? 

As autoridades tem que entender que elas estão com o poder nas mãos. É dela a responsabilidade. Não podem simplesmente omitir-se, prevaricar e negligenciar. 

A questão de politica pública cabe a cada governante, se ele vai investir ou não. Visivelmente pudemos entender que infelizmente em Pilar do Sul, as coisas andam em passos lentos e dificilmente veremos maiores resultados nessa questão, pois sem verba e vontade politica a coisa não anda. Lamentável mesmo. Que Deus olhe por nossos jovens e por nossa cidade.

Por: Comissão de Moradores e Comerciantes do Centro de Pilar do Sul

Fotos: Divulgação.


Compartilhar no Google Plus

Sobre Sergio Santos

Jornalista, radialista e publicitário. Editor responsável pelo Blog do Sérgio Santos. Registro de Jornalista MTB 51.754 / SP.
    Comentar
    Comentar com Facebook

0 comentários:

Postar um comentário